domingo, março 13, 2011

Surrealidade

(80cm x 60 cm)

Ouço um rasgo no céu que ecoa no meu pensamento. "Quem está aí?", indago. Uma força empurra-me para fora de mim. De quem é este corpo que tenta libertar-se do caixilho onde o tentaram emoldurar? Sou eu? Belisco-me, sinto-me.
Avisto as linhas do xadrez que me indicam o caminho. O meu braço, longo e distendido, uma extensão de mim, tenta em esforço alcançar a maçã. Eu sei que ela será minha. Ela também o sabe. “Deixa-me surrealizar o sonho”, peço-lhe. “Surrealiza-me”, responde-me.


2 comentários:

Bia disse...

...e o "traço",que segura o PENSAMENTO,quer rasgar as entranhas de quem tenta pegar a Maçã. "Surrealiza-me", pede ELA! E num balouçar incessante, o braço dependurado quase A toca. Será que o xadrez está disposto a abrir o caminho? A força do PENSAMENTO e a vontade da MAÇA serão o eixo que SURREALIZARÁ o sonho!

ams disse...

E a maçã continua a falar...

"Alguém tem de o fazer. Porque não
tu – eu? Estás a ver? Vamos juntos. Não estás sozinho.
Estava à tua espera aqui neste teu tempo.
Podes por isso imaginar quanto sonhei
com este nosso encontro. Neste instante.

Porque chegou o dia em que tudo é possível
realizar o impossível em meu momento.
Não vaciles. Age. Sê valente
e generoso. Sê – não me interpretes
mal - , sê como Deus, aquele Deus antigo.

O vosso de certeza é diferente.
E cria tu o nada ao descriares,
até à sua essência derradeira, essa matéria
onde a dor faz ninho: o Universo."

J. M. Fonollosa

Abraço