domingo, março 28, 2010

Requiem ao silêncio

(50cm x 40cm)

O sol ébrio deita-se num profundo manto azul escuro. É então, num silêncio esmagador, que abrindo as cortinas ao meu pensamento, escrevo.
A pena da vida, num vai e vem de desejos e fantasias, sacia-se e devora o corpo de um tinteiro, que não é mais que uma maçã.
Cerro as pálpebras. A adrenalina faz-me vibrar os músculos. A carne sensibiliza-se; ganha alimento, sinto um fogo a germinar. Deitada e despudorada, como uma amante, está a folha de pergaminho, rasgada pelo tempo. Uma gota de suor resinosa flui sem arreios numa construção geométrica do orgasmo...
Apuro os meus sentidos. Lá fora o silêncio fortifica-se...

1 comentários:

Bia disse...

Lindo...suave e intenso numa dualidade de letras e cores...

Lindo de verdade... Um ARTISTA que nos brinda com a sua Inspiração.
Obrigada pela partilha.